Compartilhe suas histórias com o Inventeca

Se você é leitor assíduo desse blog, com certeza já conhece o Inventeca. Mas, se não conhece não tem problema, sempre é tempo de conhecer coisas novas :)

E se eu volto a falar sobre o mesmo assunto é porque…temos novidade!

Agora no Inventeca os usuários podem enviar as suas gravações para outras pessoas. Através do sistema de compartilhamento do app, as crianças podem mostrar para familiares e amigos as suas criações. Essa utilidade reforça a ideia de usar a tecnologia como uma ferramenta de união, tanto na leitura compartilhada que o aplicativo incentiva, quanto no envio das narrativas até para pessoas distantes.

Inventeca

Achei sensacional a inserção desse recurso, pois podemos conscientizar desde cedo as crianças sobre o compartilhamento de informações, seja nas redes sociais, através de jogos, e-mails e até mesmo na vida real.

Na primeira fase do lançamento, a função compartilhar está disponível exclusivamente para assinantes. Com o feedback desses primeiros usuários espera-se verificar se cada um encontra diversão, praticidade e segurança ao embarcar na brincadeira. Aos poucos, novos usuários também poderão enviar histórias para amigos e parentes.

A camada gratuita do Inventeca tem 3 livros disponíveis e quem assina a versão Premium hoje tem acesso a 23 histórias. Como em um clube de livros, a StoryMax entrega novas histórias a cada dez dias, aumentando a estante dos seus usuários pagantes, que podem deixar até 20 gravações salvas no aplicativo.

Inovação e qualidade

Reconhecida pela inovação e qualidade dos onze apps já publicados – pelos quais já recebeu dois Prêmios Jabuti, dois Reading Digital Fiction UK, três ComKids Interativos (Nacional e Prix Jeunesse Iberoamericano) e um Selo Distinção da Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio – a StoryMax espera criar, com o Inventeca, um ciclo de sustentabilidade no mercado editorial e de educação.

“Nosso objetivo é oferecer lazer e aprendizado de qualidade para as crianças, reunir as famílias em torno de uma atividade que as aproxima da leitura; mostrar que a criança deve ser protagonista e não apenas consumidora de conteúdo. Com isso, na outra ponta, esperamos criar oportunidades para ilustradores, roteiristas e editoras”, explica Samira.

A assinatura mensal do Inventeca no Brasil custa R$ 14,90, já a anual R$ 119,90. Você pode encontrá-lo nas versões para iOS e Android.

Anúncios

Professor da escola pública pode avaliar suas competências em tecnologia

No último dia 23 de maio, participei do 17º Conect-C, evento promobido pelo CIEB. Nesse encontro foi discutido sobre a formação de professores de forma mais significativa e objetiva, em relação ao uso de novas tecnologias na educação. Foram apresentados dois cases bem interessantes de formação e uso de tecnologias. Foram apresentados dois cases bem interessantes sobre formação e tecnologias: Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo e do CESAR, em Pernambuco.

Carmem Prata, assessora de tecnologia educacional no Espírito Santo, reconheceu que dados são importantes para que secretarias criem programas de formação mais assertivos e personalizados de acordo com o nível de proficiência dos professores e com as necessidades de cada escola.

Walquíria Castelo Branco Lins, consultora do CESAR, apresentou como professores foram do nível mais elementar de uso de tecnologia para a utilização de robótica e produção de webséries em escolas rurais conectadas em Vitória de Santo Antão (PE). O esforço que incluiu formações em metodologias ativas para professores e mentoria de gestores fez uma das escolas saltar de 2,8 a 4,3 no Ideb.

Ainda nesse encontro, foi lançada o recurso de Autoavaliação de Competências Digitais de Professores. Esse recurso, disponível na plataforma EduTEc pode ser utilizado a princípio por professores da rede pública de ensino. O diagnóstico é gerado a partir de um questionário que contempla três áreas: Pedagógica, Cidadania Digital e Desenvolvimento Profissional.

Na área Pedagógica, são avaliadas as competências como prática, personalização, avaliação, curadoria e criação. A área Cidadania Digital atenta para o uso responsável, o uso crítico, o uso seguro e a inclusão. No Desenvolvimento Profissional, a ferramenta tem como foco o autodesenvolvimento, a autoavaliação, o compartilhamento e a comunicação.

Após responder 23 perguntas, o professor recebe uma devolutiva, por área e por competência, que detalha seu nível de apropriação das tecnologias digitais. Cada área e competência tem cinco níveis de apropriação: exposição, familiarização, adaptação, integração e transformação. O resultado inclui ainda sugestões de como evoluir, com indicações de materiais, leituras e atividades.

Além da devolutiva do professor, o Guia EduTec oferece ainda uma devolutiva aos gestores públicos, que podem visualizar o mapeamento das competências dos docentes da sua rede de ensino. Com isso, a secretaria de educação pode desenvolver estratégias de formação focadas, que supram as reais lacunas e contemplem as expectativas dos educadores.

Achei o recurso muito interessante, o que ajudará professores e gestores a melhorarem cada vez mais o aproveitamento de novas tecnologias na educação.

1º Encontro Brasileiro de Especialistas em Tecnologia Educacional

Neste primeiro encontro, serão debatidas as tendências no uso da tecnologia para melhorar o desempenho de professores, alunos e gestores de escolas, do Ensino Básico à Universidade e introdução às ferramentas Google for Education para sala de aula.

Na sequência, acontecerão eventos técnicos voltados a outras áreas onde o uso da tecnologia é cada vez mais intensivo e necessário.

Programa

  • Como gerenciar a infraestrutura tecnológica numa escola: Apresentador: CARLOS DALMARCO, consultor de projetos audiovisuais
  • Introdução às ferramentas Google for Education para sala de aula: Apresentador: LUIS CARLOS DE CARVALHO, diretor Comercial da Foreducation EdTech – Google for Education Partner
  • Inteligência Artificial e IoT na Educação:Apresentador: ANDRÉ LUIS ATIQUE, Technology Manager na Athié Wohnrath
  • CASE: Universidade Insper e o uso consciente da tecnologia: Apresentador: BRUNO CRUZ, gerente de Service Desk, Insper

Quando?

Data: 29/04
Horário: 9h a 19h
Local: Casa do Saber – R. Dr. Mario Ferraz 414

Inscrições

Clique aqui para realizar sua inscrição.

Currículo de Referência em Tecnologia e Educação – CIEB

Como inserir as tecnologias como ferramente educacional em sua escola? Esse ainda é um grande questionamento para muitos professores e escolas. Não há um currículo oficial, mas há vários currículos que podem servir como referência.

A Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo, disponibilizou no inicio do ano o Currículo da Cidade – Tecnologias para Aprendizagem, indicando quais habilidades podem ser trabalhadas no Ensino Fundamental. Gostei muito de material, que tem me servido como norteador no planejamento do uso de tecnologias na escola.

No início de Outubro, o CIEB lançou o Currículo de Referência em Tecnologia e Educação, desde a Educação Infantil e todo o Ensino Fundamental. O uso de tecnologias na Educação Infantil ainda é um assunto um pouco polêmico. Eu particularmente sou à favor, desde que feito com cautela e utilizando bons materiais de referência como esse disponibilizado pelo CIEB.

Gostei bastante do currículo disponibilizado pelo CIEB, não só pela apresentação que facilita muito encontrar o que precisamos, mas também pela qualidade do conteúdo. Tenho acompanhado o trabalho do CIEB desde o ano passado, o que tem me ajudado muito a refletir sobre meu trabalho.

Pretendo estudar mais profundamente esse material, mesclando ele com outros materiais, adequando sempre a forma de trabalho dos professores e da escola. Acredito que futuramente, seria interessante termos um currículo único, que fosse utilizado por todas as escolas. Mas, no momento, acho que ainda é sedo para isso. Ainda há muito o que estudarmos e refletirmos sobre o uso de tecnologias na edudação. E você, o que pensa sobre esse assunto?