Depois do Google, nosso cérebro já não é mais o mesmo

A psicóloga e professora Betsy Sparrow, após ter dificuldade em lembrar o nome de uma atriz de um filme dos anos 40, resolveu estudar como as pessoas memorizam as informações nos dias de hoje com o Google nas mãos para nos lembrar de qualquer coisa a qualquer momento. Juntamente com dois colegas publicou o artigo O Efeito Google na Memória: consequências cognitivas de ter a informação na ponta dos dedos.

Para esse estudo, em uma das experiências, pediu-se a um grupo de estudantes da Universidade de Harvard que escrevessem no computador um conjunto de informações; antes de começarem, foi avisado a metade dos alunos que o que fosse escrito ficaria armazenado no computador; ao restante foi dito que a informação se perderia. Depois, foi pedido que reproduzissem as frases, de cabeça. Resultado: os que achavam que a informação tinha desaparecido apresentaram de longe, melhor memória, “como se os seus cérebros tivessem feito um backup”. Os que achavam que poderiam consultar a informação que estava guardada, não tiveram nem perto o mesmo sucesso.

Antes confiávamos em nossas memórias, nos livros ou nas pessoas para obtermos alguma informação, hoje confiamos apenas no Google. Será isso uma coisa boa?