Como falar sobre internet segura na escola?

Sim, precisamos e muito educar nossos alunos como usar a internet de forma segura. Mas como trabalhar esse assunto? Para nos ajudar, o Porvir reuniu 7 dicas:

1- Uso responsável da internet em HQs 

Com linguagem simples e descontraída, os quadrinhos apresentam uma série de histórias com temas cotidianos do universo on-line, como bate-papo, jogos, superexposição nas redes, golpes na internet e o vazamento de informações. A cartilha também traz desenhos com os dez princípios da governança e o uso da internet no Brasil que podem ser trabalhados em sala de aula.

2- Animação sobre crimes na internet, canais de denúncias e conteúdos impróprios

Nem tudo é legal na internet. Ela pode ser útil para estudar, jogar e se informar, mas também pode ser usada para fins criminosos. Com o apoio de algumas animações, o professor pode discutir temas como os crimes de internet, informações falsas, privacidade e o risco de postar fotos íntimas.

3- Debate sobre o impacto da internet na sociedade

Como a internet está mudando a sociedade? Essa pode ser uma questão interessante para o professor debater com os alunos em sala de aula. Para auxiliar na discussão, a ficha ‘A Internet, eu e a sociedade: o que está mudando?’ reúne quatro reportagens sobre o avanço da internet em diferentes épocas, que variam de 1981 até 2009. A partir da leitura dos textos é possível organizar um debate sobre os benefícios e perigos da rede.

4- Quiz sobre uso excessivo da internet

Em um quiz animado, os alunos respondem perguntas sobre a frequência que navegam na internet. No final, eles recebem uma mensagem sobre como estão se comportando nas redes e se isso tem prejudicado a sua interação com as atividades offline. Esses resultados podem ser um gancho para o educador discutir o uso excessivo da internet com os estudantes.

5- Infográfico com o perfil do jovem conectado 

Quem é o jovem que está ligado na rede? O infográfico mostra dados estatísticos sobre o perfil dos jovens que estão conectados. Entre as informações coletadas, ele apresenta o número de horas que eles passam na internet, a faixa etária, local de onde acessam e outros dados.

6- Videoaulas sobre uso ético da internet

As videoaulas discutem o uso responsável da internet. Divididas em três módulos, elas abordam (1) as transformações tecnológicas e novas formas de se relacionar, (2) as oportunidades e perigos do ciberespaço e (3) as questões relacionadas à sexualidade, como exposição íntima e o aliciamento de crianças e adolescentes.

7- Cartilha sobre bullying na rede

No ambiente on-line, as chamadas brincadeiras de mau gosto podem ganhar espaço e se propagar com velocidade. Para trabalhar essa questão, a cartilha ‘Bullying não é brincadeira’ traz exemplos, dicas e formas de prevenir essas situações, ajudando estabelecer princípios de uma cultura de paz na internet.

Educação inovadora em pauta no CBN Debate

Em uma hora de discussão os convidados debateram sobre o que melhorou e o que piorou na educação frente ao cenário de inclusão das tecnologias na escola. Também foram discutidas as contribuições da criatividade em experiências de aprendizagem e o papel do professor nesse cenário de inovação. Na ocasião os idealizadores do Prof-Lab também apresentaram aos ouvintes os objetivos do programa de formações criativas para professores.


Qual o lugar da internet na política brasileira?

O InternetLab promoverá o evento “Qual o lugar da internet na política brasileira?”. Será no dia 21 de fevereiro das 18h30 às 22h30 no Teatro Itália (Av. Ipiranga, 344 – República – São Paulo/SP). Lá serão apresentados os resultados de duas pesquisas do InternetLab:

– O “Reporta: Internet, Vozes e Votos”, que monitorou discussões relacionadas a gênero, raça e outros marcadores no contexto eleitoral e sua relação com a Internet. O projeto produziu uma memória do período de campanha eleitoral de 2016 em relação a esses temas; e

– O “Voice or Chatter”, um projeto desenvolvido em parceria com a organização IT for Change, da Índia, e que teve por objetivo compreender melhor as formas pelas quais a participação mediada por tecnologias de informação e comunicação podem empoderar cidadãos e transformar a democracia. O projeto foi uma colaboração entre vários países, e o InternetLab desenvolveu a parte do Brasil.

PROGRAMAÇÃO

Painel 1 | 18h30 | Desafios de agir: ativismo e (in)visibilidade na Internet
Convidados:
Natália Neris (InternetLab)
Pablo Ortellado (EACH-USP)
Blogueiras Negras – a confirmar
Tati Dias (Jornalista)

Painel 2 | 20h15 | Desafios de ouvir: o futuro da participação e o papel do Estado
Convidados:
Francisco Brito Cruz (InternetLab)
Bernardo Sorj (UFRJ/Centro Edelstein)
Rebecca Abers (IPOL-UnB) – a confirmar
Rurion Melo (FFLCH-USP) – a confirmar

O debate será seguido de um Coquetel em que será distribuída gratuitamente a publicação “#OutrasVozes: Gênero, Raça, Classe e Sexualidade nas Eleições de 2016”.

Para se inscrever, é só acessar o site do evento clicando aqui.