Deixa que eu conto

Não posso deixar de começar esse post dizendo que meu fofurômetro quase explodiu quando conheci esse projeto. O Deixa que eu conto é um podcast diário criado pela UNICEF para crianças e suas famílias.

Os programas podem ser baixados gratuitamente. Cada um é dividido em quadros com contação de história, músicas e brincadeiras, entre outros. Você encontra os programas no site do projeto, no Spotify e no Youtube. No site do projeto, há uma sugestão dos programas serem baixados e editados para que sejam veiculados por rádios em todo o Brasil. O importante nesse momento tão estranho de nossas vidas é compartilhar histórias boas!

Atualmente estou em sala de aula como Professora de Desenvolvimento Infantil. Acho super importante contar histórias para as crianças nessa faixa etária. Mas, confesso que sou péssima contando história. As crianças são tão maravilhosas que fingem muito bem que gostam kkkk

Se você tem essa mesma dificuldade, esse é um ótimo projeto para te ajudar no seu dia a dia em sala de aula e também para qualquer pessoa que tem crianças por perto.

Compartilhe suas histórias com o Inventeca

Se você é leitor assíduo desse blog, com certeza já conhece o Inventeca. Mas, se não conhece não tem problema, sempre é tempo de conhecer coisas novas :)

E se eu volto a falar sobre o mesmo assunto é porque…temos novidade!

Agora no Inventeca os usuários podem enviar as suas gravações para outras pessoas. Através do sistema de compartilhamento do app, as crianças podem mostrar para familiares e amigos as suas criações. Essa utilidade reforça a ideia de usar a tecnologia como uma ferramenta de união, tanto na leitura compartilhada que o aplicativo incentiva, quanto no envio das narrativas até para pessoas distantes.

Inventeca

Achei sensacional a inserção desse recurso, pois podemos conscientizar desde cedo as crianças sobre o compartilhamento de informações, seja nas redes sociais, através de jogos, e-mails e até mesmo na vida real.

Na primeira fase do lançamento, a função compartilhar está disponível exclusivamente para assinantes. Com o feedback desses primeiros usuários espera-se verificar se cada um encontra diversão, praticidade e segurança ao embarcar na brincadeira. Aos poucos, novos usuários também poderão enviar histórias para amigos e parentes.

A camada gratuita do Inventeca tem 3 livros disponíveis e quem assina a versão Premium hoje tem acesso a 23 histórias. Como em um clube de livros, a StoryMax entrega novas histórias a cada dez dias, aumentando a estante dos seus usuários pagantes, que podem deixar até 20 gravações salvas no aplicativo.

Inovação e qualidade

Reconhecida pela inovação e qualidade dos onze apps já publicados – pelos quais já recebeu dois Prêmios Jabuti, dois Reading Digital Fiction UK, três ComKids Interativos (Nacional e Prix Jeunesse Iberoamericano) e um Selo Distinção da Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio – a StoryMax espera criar, com o Inventeca, um ciclo de sustentabilidade no mercado editorial e de educação.

“Nosso objetivo é oferecer lazer e aprendizado de qualidade para as crianças, reunir as famílias em torno de uma atividade que as aproxima da leitura; mostrar que a criança deve ser protagonista e não apenas consumidora de conteúdo. Com isso, na outra ponta, esperamos criar oportunidades para ilustradores, roteiristas e editoras”, explica Samira.

A assinatura mensal do Inventeca no Brasil custa R$ 14,90, já a anual R$ 119,90. Você pode encontrá-lo nas versões para iOS e Android.

Jogo: O Último Banquete em Herculano

Desenvolvido por pesquisadores do Laboratório de Arqueologia Romana Provincial (Larp), da USP, o jogo O Último Banquete em Herculano tem como proposta a vivência de um último dia na cidade de Herculano, em Roma.

O jogo, voltado para alunos do Ensino Fundamental e Médio, apresenta os preparativos para uma grande refeição, trabalhando elementos do dia a dia como rituais religiosos e estrutura social da época.

“O banquete funciona como se fosse um microcosmo da sociedade romana. Você tem a questão de classes, do senhor da casa e dos escravos, enquanto o banquete envolve os alimentos e os vasilhames de bronze”, explica o historiador e arqueólogo Alex Martire, pesquisador do Larp.

O jogo vem acompanhado de um guia didático dividido em oito sessões, com o objetivo de auxiliar o trabalho em sala de aula, o que achei ótimo! Os professores não precisam só de mais uma ferramenta, mas de um contexto de trabalho.

Assista ao vídeo abaixo e entenda mais sobre o jogo.