Porque professores não utilizam software livre?

FislEntre os dias 3 e 6 de Julho acontecerá a 14ª edição do Fórum Internacional Software Livre (FISL), em Porto Alegre (RS). O Grupo de Trabalho (GT), criado no FISL a três anos e focado em educação, chama a atenção para a falta de capacitação dos professores para o uso de software livre nas escolas. “A dificuldade não é ter software livre nas escolas, mas sim saber usá-lo como ferramenta pedagógica”, diz Rainer Krüger Integrante do grupo e criador do sistema Pandorga Linux.

Para Krüger, o uso do software livre vai muito além da questão técnica. “Nós buscamos estimular a liberdade de pensamento e a disseminação do conhecimento para todos os níveis escolares. Este GT mostra, de forma prática, como se pode construir qualquer conhecimento de forma democrática e aberta”.

O que se observa hoje em dia é que as escolas estão equipadas mas os professores não tem treinamento, suporte e até mesmo apoio para utilizar softwares educativos, principalmente os livres. Encher as escolas de computadores não basta para mudar a educação do nosso país. Segundo o último Censo Escolar, de 2012, no ensino fundamental da rede pública, 48,6% das escolas têm laboratório de informática, enquanto 45,8% contam com acesso à internet. A situação é melhor no ensino médio, onde 92,4% das escolas públicas possuem laboratórios de informática e 93% acesso à internet. Nos dois casos, há mais laboratórios de informática que bibliotecas. Mas e treinamento? E incentivo para esses professores utilizarem essas ferramentas? Isso precisa ser melhorado e muito.

Escolas precisam de mais computadores

A Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação) publicou um estudo que mostra que 51% das escolas não fornecem acesso à internet aos estudantes. Nas escolas que já utilizam computadores, 89% das instituições instalam os equipamentos na sala do diretor ou coordenador pedagógico, 84% no laboratório de informática e 60% na sala dos professores. Apenas 8% das instituições fornecem acesso à internet nas salas de aula.

O índice da Brasscom mostra também que, em média, há cerca de um computador para cada grupo de 28 alunos. Participaram deste estudo 639 escolas, 6.364 estudantes e 1.822 professores. De acordo com a pesquisa, o uso da internet em sala de aula e escola favorece, por exemplo, a popularização de cursos de ensino à distância e reforço escolar.

Como escolher o primeiro computador para criança

Hoje em dia temos várias opções de computadores para escolhermos: Desktop, Notebook, Netbook, Tablet. Mas qual será a melhor escolha para nossas crianaçs? alguns pais consideram principalmente preço onde na verdade devemos pensar na segurança que o equipamento proporcionará para a criança.

O desktop é a escolha mais indicada pois reduz o risco de acidentes em relação a quedas, o pai sempre saberá onde seu filho está usando o computador. O notebook oferece o risco da queda e pode machucar a criança, problema de queimadura caso a criança utilizeo de forma incorreta sem proteção no colo e também derramar o lanchinho em cima do aparelho. Devemos também pensar nas famílias com mais de uma criança onde o desktop pode ser utilizado por todos e o notebook normalmente cada um tem o seu, aumentando os custo com aparelhos.

Professores estão sendo ultrapassados por seus alunos

Vamos voltar a falar sobre a necessidade mais que urgente que os professores tem de aprender a usar as novas tecnologias em sala de aula. São vários os professores que já acordaram para essa nova realidade, mas esse número ainda é muito pequeno. Alguns não se preocupam com isso por medo, por falta de insentivo, alguns porque já estão para se aposentar, falta de estrutura, falta de um coordenador que execute sua função, enfim, motivo não falta.

Pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) mostra que 64% dos docentes entrevistados acreditam que os alunos entendem mais de computador e internet do que eles próprios. Foram entrevistados 1,5 mil professores e quase 5 mil alunos de 497 escolas para identificar os usos da internet na rotina do ensino público do país. Segundo o CGI.br, 100% das unidades da rede em área urbana estão equipadas com computadores e 92% têm acesso à internet. Em média, os colégios tinham 23 computadores instalados e 18 em funcionamento. Para 75% dos docentes entrevistados, a principal fonte de apoio para o desenvolvimento de suas habilidades tecnológicas são os contatos informais com outros educadores.

O professor precisa ter consciência de que o papel do professor não é mais o de detentor do saber. Ele deve estar aberto para também aprender com o aluno, principalmente a utilizar novas tecnologias. O ministério da educação oferece um programa que já capacitou 300 mil professores, mas só isso não é o bastante. Se antes o professor precisava sempre se manter atualizado, com o uso de novas tecnologias essa necessidade se torna maior ainda.