Mudanças na educação demandam novas formas de avaliar resultados

Em busca de métodos eficientes para analisar o desenvolvimento de competências socioemocionais, pesquisador fala da importância da mensuração.

Anúncios

Orientações para seleção e avaliação de conteúdos e recursos digitais

Atualmente trabalho como Assistente de Tecnologias Educacionais (não lembro se já contei isso pra vocês). Minha função é auxiliar os professores a utilizarem tecnologia em suas aulas. Não é uma tarefa muito fácil, mas é muito gratificante. Ano passado entrevistei uma coordenadora de escola para um trabalho da faculdade e ela me disse que é muito importante que as escolas tenham alguém que auxilie os professores para o uso das tecnologias. É claro que eu concordo com o que ela disse. Mas como ajudar os professores a selecionarem os conteúdos digitais que serão utilizados em suas aulas?

O CieEB (Centro de Inovação para Educação Brasileira) disponibilizou um documento intitulado “Orientações para seleção e avaliação de conteúdos digitais”. O documento tem como objetivo definir parâmetros simples e rápidos que não exijam conhecimentos especializados sobre tecnologia, ou processos complexos de análise e avaliação dos REDs (Recursos Digitais Educacionais), permitindo assim, que qualquer professor ou usuário possa utilizá-los em seu dia a dia.

Para orientar a escolha e a avaliação, o CIEB sistematizou os principais métodos e ferramentas utilizadas em países como Inglaterra, Noruega, Canadá e Chile, por meio de nove parâmetros que estão presentes na realidade brasileira dos professores e escolas.

É importante ressaltar que não se deve confundir esses parâmetros de escolha e avaliação para professores e usuários com parâmetros e processo de curadoria a serem utilizados por especialistas para determinar o conjunto de REDs que serão disponibilizados em repositórios.

Ficou curioso? Então clique aqui e leia o documento na íntegra.

Avaliações discursivas já podem ser corrigidas por softwares

Nenhum professor gosta de passar horas corrigindo provas discurcivas não é verdade?  Para facilitar a vida dos professores, o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts – Estados Unidos), desenvolveu um software que conseguiu corrigir cerca de 20 mil provas com certa exatidão. As notas atribuídas pelo programa ficaram bastante próximas das avaliações feitas pelos professores. No entanto, de acordo com o professor Les Perelman, responsável pela pesquisa, ainda é cedo para a tecnologia funcionar sem a ajuda de humanos. Falhas como o software não conseguir dizer quando um aluno usou um jargão gramatical ou mesmo se ele plagiou o trabalho de outra pessoa ainda precisam ser resolvidas.