Crianças, jovens e programação – Hipsters #65

https://hipsters.tech/?powerpress_embed=1262-podcast&powerpress_player=mediaelement-audio

Hoje em dia se fala muito sobre ensinar programação para todos – inclusive para as crianças. Mas será que vale a pena? O ensino de programação deveria ser obrigatório nas escolas?

Participantes:

Links:

Produção e conteúdo:

  • Alura Cursos online de Tecnologia
  • Caelum Ensino e Inovação

Edição e sonorização: Radiofobia Podcast e Multimídia

Fonte: Hipsters

Anúncios

13 razões por que odeio suas aulas

Razão 1:

Você não sabe quem eu sou, professor. E não estou falando do meu nome, tampouco do lugar em que sento em sua aula. Você não sabe o que vivo em casa, não sabe porque eu me visto dessa forma e, claramente, não está interessado em ouvir o que tenho a dizer. Você até finge, mas sinto o cheiro de impostor de longe.

Razão 2:

Você se acha o dono da razão e adora citar teóricos distantes e desconhecidos de nós para dar peso à sua segmentação. Você não está pronto para dialogar comigo abertamente e respeitosamente se eu disser que não acredito na teoria da evolução, se eu discordar do marxista que há em você ou, ainda, se eu te perguntar sobre a diferença que a hipotenusa terá na minha vida. Você tenta empurrar sua verdade em nossa goela e sua avaliação cheia de correções subjetivas é a maior prova disso.

Razão 3:

Você não cria em nós expectativas positivas em relação à sua aula. Sua aula é previsível, mecânica e nada empolgante. Garanto a você que eu não recorreia ao celular se você se esforçasse para ter minha atenção.

Razão 4:

Você não me vê nos corredores. Nunca perdeu um pouco do seu precioso intervalo conversando comigo. Você sempre se achou superior a mim e por isso não consegue conquistar aluno algum, exceto os puxa-sacos.

Razão 5:

Você fala demais. Quero ouvir e ver outras coisas. Quero assistir a depoimentos. Quero ver filmes. Quero ter aula no pátio. Se fizéssemos algo parecido, ao menos uma vez ao mês, as coisas teriam sido diferentes.

Razão 6:

Você não compreende que também pode aprender comigo, com minha música, com minha rima, com minha revolta, com o que aprendi no meu gueto, com meus exemplos um tanto diferentes dos seus.

Razão 7:

Porque você não dialoga com as outras disciplinas. Na verdade, vejo em vocês, professores, uma guerra de egos ridícula e tentativas constantes de distribuir as matérias num pódio. Sabemos bem como os professores de artes e de educação física sofrem com isso.

Razão 8:

Você, assim como todos os outros, escolhe seus preferidos. Se conscientemente, eu não sei. Mas essas preferências ficam evidentes para todos e impedem que nos dediquemos como deveríamos. Temos a sensação de que nunca seremos bons o suficiente.

Razão 9:

Você não respeita meu final-de-semana, esquece que tenho que estudar mais de dez disciplinas e passa inúmeras atividades que, por vezes, sequer corrige. Você não lê minhas pesquisas.

Razão 10:

Você é injusto nas avaliações de trabalhos em grupo e, no lugar de premiar os melhores desempenhos, prefere nivelar nossas notas, classificando-nos conforme a média.

Razão 11:

Você não se importa. Você não se importa se eu realmente aprendi. Apenas quer que eu consiga obter a média mínima e deixe de ser um problema. Você perde a paciência quando peço para que explique um conteúdo novamente.

Razão 12:

Você impõe autoridade quando deveria, na verdade, deveria conquistá-la. Sei que devo respeitá-lo. Não preciso ser lembrado disso. Enquanto você utilizar seu livrinho de regras para me convencer, farei sempre por obrigação. Você pode proibir. Tem poder para isso. Mas eu tenho o direito de saber o motivo. E quando souber, o respeitarei por dialogar.

Razão 13:

Você nos usa como plateia parta divagações sobre sua vida pessoal, para criticar quem não te pagou ou que mal te pagou. Você finge que ensina. Nós fingimos que aprendemos. E esperamos que no próximo ano você consiga, enfim, sua aposentadoria.

Texto escrito por Rafael de Freitas

Banco Internacional de Objetos Educacionais

O BIOE (Banco Intenacional de Objetos Educacionais) oferece possui objetos educacionais de acesso público, em vários formatos e para todos os níveis de ensino. Acesse os objetos isoladamente ou em coleções. Até a escrita dessa postagem, o banco possui 19.842 objetos publicados, 174 sendo avaliados ou aguardando autorização dos autores para a publicação. Sim, você também pode contribuir com o BIOE. Se você tem uma plano de aula inovador, você pode enviar para o BIOE e ajudar outros professores que tiveram essa mesma dificuldade. Pensou que legal?

Você pode refinar a pesquisa por país, lingua, tipo de recurso (animação, software educativo, etc…) ou nível de ensino.