Corona Não – Jogo

Que tal um jogo para divertir e ao mesmo tempo conscientizar? O Corona Não é um simples jogo de tiro, mas que pode deixar mais claro para as crianças a importância de usar detergente e álcool em gel.

Mas Cris, um jogo tão simples como esse, o que eu posso ensinar com ele? Cores, quantidade, estratégia, saúde. O jogo sozinho realmente não vai fazer muita coisa. Monte um projeto com outras atividades introdutórias. Converse com as crianças depois do jogo. Use a criatividade.

Você sabe como o Coronavirus pode chegar até você? Essa animação te explica

Maya Adam, professora e diretora do Departamento de Educação em Saúde, do Centro de Inovação em Saúde Global de Stanford, nos Estados Unidos, criou essa animação para mostrar para as pessoas como o novo Coronavirus pode ser transmitido.

Eu sei que você já deve ter visto inúmeras matérias falando sobre isso. Mas essa animação é bem interessante também para ilustrar para as crianças. Tenho certeza que alguns adultos também vão precisar dela para definitivamente entender o que está acontecendo…

Como o COVID 19 está me fazendo refletir sobre educação

Nota: essa postagem foi escrita originalmente no dia 23/03, mas por questões técnicas, só consegui postá-la agora.

Hoje é oficialmente meu primeiro dia em casa por conta do COVID 19. Atualmente, estou em sala de aula como Professora de Desenvolvimento Infantil em um creche do município de Osasco. Como todas as outras, a creche fechou. Estou ainda criando uma rotina de produtividade, já que não encaro esse período como férias.

Desde a última quinta feira tenho me dedicado a consumir informações sobre a pandemia, situação economia do país e como os profissionais da educação estão lidando com o fechamento das escolas. São várias as postagens em redes sociais e grupos de WhatsApp e que tem me proporcionado boas reflexões. A postagem que mais me chamou atenção foi o relato de uma mãe que não sabia o que fazer com o filho. Sim, foram inúmeros os relatos como esse. Infelizmente eu não escuto isso só durante uma pandemia, mas frequentemente. Enfim…

Essa mãe disse a escola (particular) em que o filho estuda, estava disponibilizando várias atividades através do site da instituição, para que os pais pudessem realizar em casa com seus filhos. Mas, a mãe ia ter que arrumar tempo para sair, comprar os materiais necessários e depois arrumar mais tempo para orientar a criança como fazer a atividade. Continuando, ela disse que outra escola (particular) tinha entregue aos pais kits completos para que às crianças pudessem realizar às atividades de forma autônoma em casa. Que se o filho dela tivesse recebido um kit desse, ela poderia continuar trabalhando tranquilamente em casa sem se preocupar. O que ela precisava no momento era praticidade.

Não vou me estender em relação a minha opinião sobre esse relato…Mas o mesmo me deixou, a princípio, com uma grande culpa em relação a falta de ajuda que dei aos pais dos meus alunos. Trabalho em uma creche pública, com poucos recursos e sem nenhuma forma de criar kits de atividades para que os pais realizassem com as crianças durante a quarentena.

Há duas semanas atrás, iniciamos um projeto com o tema água. Montei com as crianças um terrário com o objetivo de demonstrar o ciclo da água. A turma é composta por alunos de 3 a 4 anos, que demonstraram muito interesse sobre o assunto. Não me senti segura em deixar o terrário na creche, então ele veio passar  a quarentena comigo. Fiquei com o relato da mãe na cabeça e o sentimento de culpa. Foi quando olhei para o terrário e comecei a pensar como eu poderia ter feito diferente.

Eu poderia (e ainda posso!) ter criado um tutorial simples, que pudesse ser impresso em uma folha de papel A4 e entregue aos pais para que eles pudessem construir junto com às crianças um terrário em casa. Cada um teria seu próprio terrário para observar e depois contar para os amigos como o terrário tinha se desenvolvido. Também pensei em planejar mais atividades mão na massa, criar um tutorial para cada atividade e no final do ano montar um pequeno livro com essas atividades para que às crianças possam realizar durante às férias. Dei um abraço no terrário e a culpa passou. São vários os motivos que nos levam a fazer mais do mesmo. Mas não devemos nos sentir culpados. Devemos quando possível parar, sentar, tomar uma boa xícara de café e pensar como podemos fazer diferente.

Mas Cris, e agora? Como seus alunos vão acompanhar o crescimento das plantas que estão no terrário? Bom, é aí que a tecnologia me ajuda. Vou tirar fotos e criar um álbum no Google Fotos. Estou pensando também em criar um site no Google Sites para relatar toda a experiência e compartilhar para que outros professores façam com seus alunos. Também estou pensando na possibilidade de testar um recurso chamado Time-lapse. É por isso que eu amo tecnologia <3
Bom, espero que todos estejam bem e que aproveitem ao máximo esses dias. E se precisarem de alguma coisa, contem comigo. Aproveitem e me sigam nas minhas redes sociais https://linktr.ee/cristianeacaciorosa