Vooozer: a sua voz na internet

Como o título da postagem já diz, o Vooozer é a sua voz na internet. Ok, dá para explicar melhor? Vamos lá! O Vooozer é uma plataforma voltada para blogs, onde você pode transformar suas postagens escritas em áudio.

Como funciona?

1. BLOGS E SITES: se cadastram no Vooozer e passam a ter acesso à nossa plataforma de áudio, gravador online e player de forma gratuita.

2. A NARRAÇÃO: é feita seja pelo próprio autor, alguém de sua equipe ou um narrador do nosso marketplace integrado.

3. O PLAYER: com a narração é publicado junto ao texto, através de uma linha de Código de Incorporação, o bom e velho embed.

4. SEU PÚBLICO: passa a poder ouvir seu conteúdo diretamente pelo seu site e você acompanha indicadores de consumo pela plataforma.

Nem testei ainda, mas adorei a ideia do Vooozer. Acho importante dar alternativas para que as pessoas possam adiquirir informação. Aí você deve estar pensando: não tenho blog, quero algo que me ajude em sala de aula.

Olha então que ótima oportunidade para você montar um blog e começar a oferecer os conteúdos narrados para seus alunos? Ou então, pedir para que um aluno por semana por exemplo, faça a narração de um dos conteúdos? E melhor ainda, vai poder proporcionar informação para pessoas com deficiência visual. Gente, as possibilidades são as mais variadas. Vamos usar a imaginação!

Aí, você tem mais um pensamento do tipo: não quero ter trabalho de criar um blog e ainda ter que narrar todo o conteúdo ou pedir para alguém fazer isso. Tudo bem. Então, dê uma olhada na página Vooozer Play, que traz um índice com os melhores artigos da internet com versão em áudio disponibilizados pela plataforma do Vooozer.

Coloque as mãos na massa e depois comente como foi sua experiência.

Anúncios

Crianças, jovens e programação – Hipsters #65

https://hipsters.tech/?powerpress_embed=1262-podcast&powerpress_player=mediaelement-audio

Hoje em dia se fala muito sobre ensinar programação para todos – inclusive para as crianças. Mas será que vale a pena? O ensino de programação deveria ser obrigatório nas escolas?

Participantes:

Links:

Produção e conteúdo:

  • Alura Cursos online de Tecnologia
  • Caelum Ensino e Inovação

Edição e sonorização: Radiofobia Podcast e Multimídia

Fonte: Hipsters

Conheça e utilize software educativo

O livro Conheça e utilize software educativo: avaliação e planejamento para a educação básica foi escrito por Ana Cristina Barbosa da Silva e Alex Sandro Gomes, com o objetivo de auxiliar professores no uso de softwares educativos.
Para que o docente da educação básica possa utilizar as tecnologias digitais nas aulas, é preciso que esteja preparado e conheça bem as especificidades da ferramenta que almeja trabalhar. Esta obra traz discussões sobre a utilização de softwares educativos, considerando que, para tal utilização, é preciso conhecer bem os softwares, planejar adequadamente as aulas e avaliar a aprendizagem dos estudantes. Nesta perspectiva, leva-se o leitor a refletir sobre o currículo, a formação docente, a avaliação da aprendizagem e as tecnologias digitais. São proporcionados ainda maneiras de avaliação e classificação de software educativo e planejamentos de aulas com cenários de aprendizagem.

Acesse o website da Série Professor Criativo: http://www.pipacomunica.com.br/professorcriativo

Acesse a amostra do livro: http://issuu.com/serieprofessorcriativo/docs/preview-conheca-e-utilize-software-

Acompanhe a fanpage do livro no Facebook: https://www.facebook.com/serieprofessorcriativo

 

13 razões por que odeio suas aulas

Razão 1:

Você não sabe quem eu sou, professor. E não estou falando do meu nome, tampouco do lugar em que sento em sua aula. Você não sabe o que vivo em casa, não sabe porque eu me visto dessa forma e, claramente, não está interessado em ouvir o que tenho a dizer. Você até finge, mas sinto o cheiro de impostor de longe.

Razão 2:

Você se acha o dono da razão e adora citar teóricos distantes e desconhecidos de nós para dar peso à sua segmentação. Você não está pronto para dialogar comigo abertamente e respeitosamente se eu disser que não acredito na teoria da evolução, se eu discordar do marxista que há em você ou, ainda, se eu te perguntar sobre a diferença que a hipotenusa terá na minha vida. Você tenta empurrar sua verdade em nossa goela e sua avaliação cheia de correções subjetivas é a maior prova disso.

Razão 3:

Você não cria em nós expectativas positivas em relação à sua aula. Sua aula é previsível, mecânica e nada empolgante. Garanto a você que eu não recorreia ao celular se você se esforçasse para ter minha atenção.

Razão 4:

Você não me vê nos corredores. Nunca perdeu um pouco do seu precioso intervalo conversando comigo. Você sempre se achou superior a mim e por isso não consegue conquistar aluno algum, exceto os puxa-sacos.

Razão 5:

Você fala demais. Quero ouvir e ver outras coisas. Quero assistir a depoimentos. Quero ver filmes. Quero ter aula no pátio. Se fizéssemos algo parecido, ao menos uma vez ao mês, as coisas teriam sido diferentes.

Razão 6:

Você não compreende que também pode aprender comigo, com minha música, com minha rima, com minha revolta, com o que aprendi no meu gueto, com meus exemplos um tanto diferentes dos seus.

Razão 7:

Porque você não dialoga com as outras disciplinas. Na verdade, vejo em vocês, professores, uma guerra de egos ridícula e tentativas constantes de distribuir as matérias num pódio. Sabemos bem como os professores de artes e de educação física sofrem com isso.

Razão 8:

Você, assim como todos os outros, escolhe seus preferidos. Se conscientemente, eu não sei. Mas essas preferências ficam evidentes para todos e impedem que nos dediquemos como deveríamos. Temos a sensação de que nunca seremos bons o suficiente.

Razão 9:

Você não respeita meu final-de-semana, esquece que tenho que estudar mais de dez disciplinas e passa inúmeras atividades que, por vezes, sequer corrige. Você não lê minhas pesquisas.

Razão 10:

Você é injusto nas avaliações de trabalhos em grupo e, no lugar de premiar os melhores desempenhos, prefere nivelar nossas notas, classificando-nos conforme a média.

Razão 11:

Você não se importa. Você não se importa se eu realmente aprendi. Apenas quer que eu consiga obter a média mínima e deixe de ser um problema. Você perde a paciência quando peço para que explique um conteúdo novamente.

Razão 12:

Você impõe autoridade quando deveria, na verdade, deveria conquistá-la. Sei que devo respeitá-lo. Não preciso ser lembrado disso. Enquanto você utilizar seu livrinho de regras para me convencer, farei sempre por obrigação. Você pode proibir. Tem poder para isso. Mas eu tenho o direito de saber o motivo. E quando souber, o respeitarei por dialogar.

Razão 13:

Você nos usa como plateia parta divagações sobre sua vida pessoal, para criticar quem não te pagou ou que mal te pagou. Você finge que ensina. Nós fingimos que aprendemos. E esperamos que no próximo ano você consiga, enfim, sua aposentadoria.

Texto escrito por Rafael de Freitas